Casas assombradas de Portugal

by Be-Blogger Portugal on: Outubro 31st, 2012

Nesta quinta situada na Quinta das Conchas viveu Francisco Mantero Belard entre 1897 a 1927. É uma casa senhorial que faz lembrar as velhas mansões coloniais. No seu interior longas galerias, belas salas com inúmeros frescos e móveis de muito valor. A mansão construída por três pisos, uma bonita fachada e enorme escadaria e ainda uma torre. Na altura não foi possível visitá-la, agora percebe-se porquê. Lá vivia a mulher de Francisco, ele havia-a conhecido em S. Tomé e Príncipe e trouxe a nativa com quem acabou por ter uma jaula. Mais tarde, mandou prende-la numa jaula de 2 metros. Após dezenas de anos em cativeiro, a jovem enlouqueceu. Diz a lenda que a casa está assombrada pelo fantasma da louca e que guarda um tesouro cheio de relíquias trazidas de África.

O casarão antigo está fechado há anos porque ninguém consegue permanecer muito tempo dentro dele, em breve irá ser demolido. A casa oferece todo um imaginário fantasmagórico, e quando recebe visitas, as pessoas e mesmo os cães que as acompanham (dizem que os animais são muito sensíveis a actividades paranormais) recusam-se a subir para o segundo andar. Onde dizem ter sido outrora o local de exorcizações e assassinatos.

Esta casa é a lenda e o terror desta cidade do Algarve. Desde sempre que os habitantes de Olhão crescem a ouvir dizer para nunca entrarem nesta casa porque esta assombrada, e a forças dos espíritos malignos não permite que esta seja destruída. Agora os rumores são outros, a câmara quer mandar abaixo esta casa onde dizem que outrora morreu num incêndio pouco explicito a família mais rica da zona, mais tarde outra família mudou-se para lá e o incidente repetiu-se, exactamente com os mesmos contornos…

Em 1849 a futura Viscondessa da Regaleira adquiriu a quinta das loureiras para aí construir uma casa segundo os modelos românticos ingleses assim como um exótico jardim romântico – Beau Séjour. O jardim, muito marcado pela presença de tanques, ilhotas, lagos, coretos e caramanchões, e devido aos jogos de luz/sombra entre as clareiras e a densa vegetação. Reza a lenda que a sua sobrinha herdeira após a sua morte, viveu uma saga de inúmeros desgostos amorosos de traições e assassinatos, da qual não conseguia ver-se livre, acabando por isolar-se até ao fim da sua vida no Palácio amaldiçoado.

Este hotel situado na Praia da Rocha, em Portimão é já um local onde várias gerações de funcionários avistaram um fantasma, tendo sido porto de abrigo de fugitivos da altura da II guerra mundial descobriu-se que um dos funcionários tinha guardado cartas por enviar de hóspedes estrangeiros, o hotel tratou de as encaminhar e recebeu mais tarde respostas de netos e bisnetos dos destinatários. Dizem que os espíritos aprisionados dos antigos destinatários durante a noite soltam gemidos, lamúrias inexplicáveis, pancadas nas paredes a meio da noite e o fantasma da ex-proprietária a atravessar corredores e a tirar o sono a muitos dos seus antigos funcionários. Estes ruídos só aconteciam no quarto 108, onde ela falecera.

 

 
 

leave your comment